Teatro de Strindberg

menina-jc3balia

Menina Júlia
de August Strindberg

Tradução: Augusto Sobral e Tânia Filipe

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o Ensino Secundário como sugestão de leitura.

Júlia é uma jovem aristocrata que, por detrás de uma inocência aparente esconde um lado provocador. Numa noite de S. João, Júlia seduz e é seduzida por João, criado do senhor Conde e noivo de Cristina, a cozinheira da casa. Desejo, conflitos de poder, o choque violento das classes sociais e dos sexos que povoam aquela que será uma noite trágica.

Crítica: roda dos livros | Público 1Público 2

Anúncios

Crónicas moçambicanas

Manual para Incendiários e Outras Crónicas, Luís Carlos Patraquim from Antígona on Vimeo.

 

manual

Manual para Incendiários e Outras Crónicas
de Luís Carlos Patraquim

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o Ensino Secundário como sugestão de leitura.

Antígona:

Este livro é um conjunto de crónicas publicadas entre 2000 e 2009 na imprensa portuguesa e moçambicana (Jornal de Letras, Savana, ÁfricaLusófona e Angolé), cujo fio condutor é a ironia do processo de escrita. Repositório humorado das reflexões do autor-cronista sobre a actualidade,Manual para Incendiários e Outras Crónicas prima pelo olhar mordaz e apaixonado sobre a literatura, a identidade moçambicana, a aculturação e a intromissão ocidental. Crónicas desenvoltas que abarcam a Europa, África e as suas gentes, são uma visão destes dois mundos aliada a um vívido humor.

BIOgrafia do autor

 

 

 

 

Literatura africana em Língua Portuguesa

cao tinhoso

Nós Matamos o Cão-Tinhoso

Luís Bernardo Honwana

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o Ensino Secundário como sugestão de leitura.

Livro de sete contos publicado em 1964 e considerado uma obra fundacional da literatura moçambicana moderna.

Os contos:“Nós Matámos o Cão-Tinhoso”, “Dina”, “Papa, Cobra, Eu”, “As Mãos dos Pretos”, “Inventário de Imóveis e Jacentes”, “A Velhota” e “Nhinguitimo”.

Vimeo

cronicas pepetela

Crónicas Com Fundo de Guerra

de Pepetela

As crónicas publicadas no jornal “Público” de 1992 a 1995, numa altura em que, depois do processo de pacificação e eleições do ano de 1992, a guerra civil angolana foi retomada.

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o Ensino Secundário como sugestão de leitura.

Pepetela (Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos) nasceu em Benguela, Angola, em 1941. Frequentou o Ensino Superior em Lisboa mas acabou por licenciar-se em Sociologia, em Argel, durante o exílio. Iniciou a sua actividade literária e política na Casa dos Estudantes do Império. Como membro do MPLA, participou activamente na governação de Angola, após o 25 de Abril.
A partir de 1984, foi professor na Universidade Agostinho Neto, em Luanda, e tem sido dirigente de associações culturais, com destaque para a União de Escritores Angolanos e a Associação Cultural Recreativa Chá de Caxinde.
A atribuição do Prémio Camões (1997) confirmou o seu lugar de destaque na literatura lusófona.

O Caderno Vermelho da Rapariga Karateca

Caderno-Vermelho-da-Menina-Karateca

O Caderno Vermelho da Rapariga Karateca

de Ana Pessoa

Ilustração de Bernardo Carvalho

Planeta Tangerina

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o 3º ciclo, destinado a leitura autónoma.

N não é uma menina, é Karateca.
N tem 14 anos, quase 15, e o seu maior sonho é ser cinturão negro e beijar Raul.
N gosta de escrever, mas prefere lutar com o Raul.
(escrever é uma seca.)
Isto não é um diário. Não tem chave, não tem segredos.
(sim, tem segredos.) Também tem vontade própria, páginas movediças, palavras como «diarreia» e «romântico» e personagens como a bruxa má que quer aprender a ser boa e a mosca que não sabia quem era.
Isto é o Caderno Vermelho da Rapariga Karateca. O objeto preferido de N, um animal de estimação, uma personagem, uma pessoa de verdade.
(O que é a verdade?)

O Caderno Vermelho da Rapariga Karateca é a primeira obra de Ana Pessoa.

Venceu o prémio Branquinho da Fonseca – Expresso / Gulbenkian, na modalidade Juvenil.