Ciclo de Cortos en Lengua Castellana – Balanço

No âmbito da disciplina de Espanhol e em colaboração com as bibliotecas do Agrupamento, entre 25 de janeiro e 4 de fevereiro, desenvolveu-se a atividade “Ciclo de cortos en lengua castellana”, que envolveu os alunos da disciplina durante as atividades letivas, assim como os alunos que frequentaram a biblioteca durante a hora de almoço e intervalos.

Durante estes dias, foram projetadas várias curtas-metragens premiadas ou selecionadas para os Prémios Goya nas bibliotecas da Escola Básica n.º 2 da Pampilhosa, da Escola Básica n.º 2 da Mealhada e da Escola Secundária da Mealhada.

Estiveram, ainda, em exposição biografias sobre vários atores conhecidos da atualidade e obras literárias de autores hispânicos, bem como filmes, panfletos e mapas de cidades espanholas.

Os filmes escolhidos abordaram temáticas no âmbito da solidariedade e do respeito pelo outro, o consumismo e a ética, e a influência do uso das novas tecnologias no contacto humano, tendo constituído uma oportunidade para trabalhar conteúdos da disciplina fora da sala de aula.

Desta forma, esta atividade foi uma oportunidade não só de motivação dos alunos para a aprendizagem da língua castelhana e dar a conhecer o festival de cinema Prémios Goya, como contribuiu para despertar para o prazer de ver cinema e promover esta forma de arte enquanto instrumento de expressão e de diversidade cultural.

“Ela” de Paul Verhoeven

As Bibliotecas Escolares do Agrupamento de Escolas da Mealhada têm o prazer de apresentar 4 novidades do melhor cinema produzido recentemente.

De notar que todos os membros da comunidade escolar do Agrupamento têm acesso em igualdade de condições a todos os documentos das coleções depositadas nas diversas bibliotecas. Estes filmes, embora estejam arrumadas nas estantes da Biblioteca da Escola Secundária, podem ser requisitados por todos os membros da nossa comunidade escolar.

EladePaulVerhoeven20161220_230017

Informação:

Cinecartaz (+)

IMDB (+)

Medeia Filmes (+)

ELA um filme de Paul Verhoeven TRAILER from Midas Filmes on Vimeo.

Vê o filme, lê o livro

modista

A vingança está outra vez na moda.

Dungatar é uma pequena cidade no interior da Austrália, mas onde as mulheres se vestem como modelos parisienses. Após 20 de ausência, Tilly Dunnage, uma jovem bela e reservada, regressa da Europa para cuidar da mãe. Tinha abandonado a sua terra natal em circunstâncias adversas e os habitantes recebem-na com desconfiança, mas ela conquista-os um a um através do seu enorme talento como modista.

Todavia, cedo ressurgem os velhos rancores. É então que Tilly se apaixona e Dungatar, outrora pacata, mergulha no caos.

Crítica

Cinema

 

filmes_7659filmes_7659bfilmes_7659c

Estão já disponíveis os filmes da “Colecção Géneros da 7ª Arte” agrupados segundo 5 Géneros distintos  – Drama, Romance, Comédia, Thriller e Crime:

 

Grandes realizadores

O jornal “Público” lançou uma colecção da Série Ípsilon dedicada a quinze grandes realizadores da história do cinema. São 15 filmes galardoados em importantes competições internacionais como Cannes, Veneza ou Berlim.

A Biblioteca acaba de receber toda a colecção e coloca-a à disposição de todos os seus utilizadores:

  • John Ford, “A Grande Esperança”
  • Aleksandr Sokurov, “A Arca Russa”
  • Robert Bresson, “O Carteirista”
  • Nanni Moretti, “Palombella Rossa”
  • Emir Kusturika, “O Pai foi em viagem de negócios”
  • Jean-Luc Godard, “Eu vos saúdo, Maria”
  • Abbas Kiarostami, “Close-Up”
  • Rob Epstein, “Os tempos de Harvey Milk”
  • Derek Jarman, “Caravaggio”
  • Dino Risi, “Vejo Tudo Nu”
  • Takeshi Kitano, “Um Lugar à beira-mar”
  • John Cassavetes, “Minnie and Moskowitz”
  • Maurice Pialat, “Van Gogh”
  • Alain Resnais, “A vida é um romance”
  • André Téchiné, “Encontro – rendez-vous”

Quem quer ser bilionário?

Quem Quer Ser Bilionário?

de

Vikas Swarup
O que diz o editor:
Por que está Ram, um pobre empregado de mesa de Bombaim, na prisão?
a) Esmurrou um cliente
b) Bebeu demasiado whisky
c) Roubou dinheiro da caixa
d) É o vencedor do maior prémio de sempre de um concurso televisivo
A resposta certa é a alínea d).
Ram foi preso por responder correctamente às doze perguntas do concurso televisivo Quem Quer Ser Bilionário?.
Porque um pobre órfão que nunca leu um jornal ou foi à escola não pode saber qual é o mais pequeno planeta do sistema solar ou o título das peças de Shakespeare. A não ser que tenha feito batota.
Mas a verdade é que foi a própria vida a fornecer-lhe as respostas certas às dozes perguntas cruciais. Desde o dia em que foi descoberto num caixote do lixo que Ram revela instintos de sobrevivência infalíveis e aparatosamente criativos. Espantando uma audiência de milhões, serve-se dos seus conhecimentos de rua para arranjar respostas não só para o concurso televisivo mas também para a própria vida.
Na história do jovem Ram concentra-se toda a comédia, a tragédia, a alegria e a amargura da Índia moderna.
Opiniões: Academia dos Livros (blogue); Estante de Livros (blogue)

Novidades: filmes

“A Missão” constituiu um grande êxito na sua estreia.

Conta uma história em que entram portugueses e espanhóis, da época em que reinava D. José I e mandava Marquês de Pombal. Os dois Impérios ibéricos disputavam um território  que hoje constitui uma zona fronteiriça entre o Brasil, a Argentina, o Uruguai e o Paraguai. Por aí. Só que viviam lá povos indígenas (Guaranis) e o filme aborda o efeito que os interesses coloniais puseram em causa o modo de vida e a sobrevivência destas pessoas

Não é muito simpático para com os portugueses de então e da colonização ibérica daquelas paragens.

Outro tremendo êxito.

Este é um filme sobre relações entre pessoas, algumas adultas, outras adolescentes, de encontros e desencontros de gente à procura de amor. Entre outras coisas.

Um grande filme de guerra, um dos melhores alguma vez feito sobre o assunto. Aqui se mostra o dilema que a guerra produz nos que nela se vêm envolvidos, a noção de dever e de sacrifício. Conta a história da conquista da ilha de Iwo Jima pelos americanos na II Guerra Mundial, mas tendo essencialmente o ponto de vista dos japoneses.

Dois filmes franceses sobre o amor (e a paixão) e as opções que nos leva a tomar.

odelfim_cartaz

A obra “O Delfim” (trailer) é inspirado no livro homónimo de José Cardoso Pires e traduz de forma muito competente a ideia principal: uma visão do Portugal do final da Ditadura.

O livro é uma das obras primas da literatura portuguesa e há na biblioteca um exemplar para empréstimo.

Vale a pena ler o livro e ver o filme.

Um excelente filme de Woody Allen, passado no tempo da Grande Depressão dos anos 30, em que uma mulher, para fugir a um quotidiano violento e miserável, assiste vezes sem conta ao mesmo filme e, um dia, algo de extraordinário acontece.

 

Uma comédia muito original e inteligente, com excelentes actores. Descubram porquê.

 

Filmes recentemente adquiridos

Orson Welles O Mundo a Seus Pés
Jean-Jacques Annaud O Nome da Rosa
 John Madden A Paixão de Shakespeare
João Botelho Quem és tu?
Ridley Scott Allien – O Oitavo Passageiro
Ridley Scott Blade Runner – Perigo Iminente
Jon Amiel Sommersby
Jonathan Demme Filadélfia
Jean-Jacques Annaud O Urso
Clint Eastwood As Bandeiras dos Nossos Pais
Martin Scorsese O Aviador
Jean-Pierre Jeunet O Fabuloso Destino de Amélie
Fernando Meirelles A Cidade de Deus
Carlos Coelho da Silva O Crime Do Padre Amaro
Ridley Scott 1492: Cristovão Colombo
Jean-Jacques Annaud A Guerra do Fogo
Maria de Medeiros Capitães de Abril
Fernando Meirelles Ensaio sobre a Cegueira
Sam Mendes Máquina Zero
Jorge Paixão da Costa O Mistério da Estrada de Sintra
António Lopes Ribeiro Frei Luís de Sousa
Peter Weir Clube dos Poetas Mortos

Filmes em DVD de Manoel de Oliveira

Manoel de Oliveira

A Carta O Meu caso
Palavra e Utopia Os Canibais
Porto da minha Infância Non ou a Vã Glória de Mandar
Vou Para Casa A Divina comédia
O Princípio da Incerteza O Dia do Desespero
Um Filme Falado Vale Abraão
O Quinto Império – Ontem como Hoje A Caixa
Espelho Mágico O Convento
Belle Toujours Party
Cristovão Colombo – O Enigma Viagem ao Princípio do Mundo
Extras Inquietude

Da conversão do material vídeo

A nossa biblioteca recebeu uma colecção interessante de filmes gravados em VHS, cujos aparelhos de leitura já rareiam, tornando cada vez mais difícil o acesso ao seu conteúdo. Daí que haja necessidade de fazer uma conversão desse material para suporte digital para muito dos documentos que possuímos.

Porém, tal decisão carece de alguma reflexão tendo em conta algumas questões que necessitam de ser analisadas.

Passar de um suporte analógico para um digital melhorará necessariamente a imagem transcrita?

Convém começar por esclarecer os conceitos e  a natureza das tecnologias que estão por detrás de cada uma delas. O Video Home System (VHS) é um formato de gravação vídeo e audio dito analógico, tal como é o Betamax e muitos outros que entretanto foram esquecidos pela evolução tecnológica e pela guerra de mercados. A tecnologia do DVD, Blue Ray e outros muito menos famosos é digital.

 Esta diferença tecnológica não resulta num pequeno pormenor, uma vez que a conversão do conteúdo de um para outro sistema encerra alguns problemas e mal-entendidos.

Pretender que a imagem melhore só porque se passa de VHS para DVD ou Blue-Ray (B-R) parece-nos um disparate, uma vez que o ganho é muito pouco, se houver.  A informação passa de um suporte para o outro, mas a qualidade que prevalece é o da tecnologia de origem. Se a qualidade da gravação de origem for fraca ou se os aparelhos em que o fizermos já não estiverem em condições até piora.

A grande vantagem na conversão neste aspecto talvez resida na possibilidade de dar estabilidade à qualidade da imagem, uma vez que a informação da imagem digital se resume a um código de números e, desde que essa informação não se altere, a imagem não se degrada com o tempo. O que se pode degradar é o suporte em que essa informação está contida e, deste modo, podemos perder a imagem porque perdemos a informação dessa imagem. Num sistema analógico, a imagem vai-se sempre degradando com o suporte, embora a velocidade de deterioração dependa bastante das condições de armazenamento e das caratcrísticas do material.

O VHS tem uma imagem com uma resolução de imagem relativamente baixa. Portanto, passa também os defeitos quando convertemos.

Há possibilidades de melhorar a imagem, mas só com tecnologia e profissionais que se dedicam a restaurar masters de filmes, mas isso é outro patamar de desempenho. A não ser que se acredite nas séries do tipo CSI em que vemos os personagens a melhorar por “artes mágicas” imagens praticamente ininteligíveis e em muito pouco tempo. Mas isso é “filme”.

O suporte digital apresenta maior longevidade do que o analógico?

Também a questão da maior longevidade do DVD relativamente ao VHS no que respeita à conservação do material gravado em ambiente doméstico é questionável. Dos contactos que temos mantido com especialistas na matéria, retivemos a ideia de que é falsa a sensação de segurança que existe entre muita gente quanto à segurança do armazenamento dos dados quer CD-R (ou +R, ou –RW), quer em DVD-R. Resumidamente, disseram-nos que a longevidade de um CD ou de um DVD gravado em casa ou na biblioteca (a tecnologia é exactamente igual) não é assim tão grande e, em certos casos, perde-se até muito rapidamente a informação. Depende de certos factores que não controlamos.

Aconselharam a guardar a informação em disco duro externo, cujo custo se tornou muito baixo, tendo em conta a memória que oferece. Além disso, deve-se proteger bem o disco, longe de más vizinhanças electrostáticas e ao abrigo de outras más influências. Dizem-nos que a probabilidade de se perder informação digital é muito elevada, mesmo em sistemas protegidos.

Já nos aconteceu perdermos informação em CD e DVD que gravámos e testámos devidamente. Aparentemente estava tudo bem, foram guardados juntamente com outros e passados poucos meses estavam sem vestígios do material. Alguns desses especialistas até me dizem que muitas cassetes VHS irão sobreviver à maioria dos CD e DVD. Talvez aconteça, mas as imagens das cassetes em VHS tendem a “acastanhar” e na tecnologia digital a cor não se altera porque tudo se resume a informação transcrita em código binário e essa perdendo-se, não fica nem castanho, nem azul nem coisa alguma, simplesmente não fica.

 Já os DVD gravados pelas editoras e comprados nas lojas, responderam-nos, levam um “banho” de um produto químico posteriormente à gravação e ficam mais protegidos (por uns 30 anos… acrescentaram… com sorte).

 Portanto, o melhor será comprar um disco duro externo, converter para lá os filmes VHS e depois, à medida que os “clientes” pedissem, gravávamos em DVD uma cópia. Ficávamos com três cópias: o VHS, o do disco duro e o do DVD.

Em termos de Direitos de Autor não se levantam problemas porque a Lei prevê esta possibilidade. (art.º 75º, na alínea e) do seu n.º 2).

O formato do ecrã.

Tanto o formato VHS como o Betamax foram suportes concebidos para material de Televisão (documentários, séries, etc.). Estes filmes para TV são concebidos para “caberem” num ecrã com uma relação largura x altura 4:3. Todo o material que foi produzido desde o início para TV não apresenta, portanto, problema nenhum.

 Já no que respeita ao cinema a questão coloca-se, às vezes dramaticamente, uma vez que a maior parte dos filmes não foi feita para ecrãs dessa proporção do ecrã. Como muitos saberão mas outros não, essa relação é diferente. No mínimo será de 16:9 (Widescreen). Outros formatos são ainda mais complicados de enfiar nesse electrodoméstico chamado TV, como por exemplo os que foram concebidos em CinemaScope.

Por essa razão é que os televisores modernos passaram a adoptar o por cá denominado Ecrã Panorâmico. Mas, mesmo assim, em alguns filmes surgem duas grossas barras pretas por cima e por baixo naqueles que exploram uma imagem larga, como é o caso dos “western” e de um certo cinema dos finais do anos 50 e nos anos 60 do século XX e alguns filmes mais recentes, uma vez que esses écrãs não são ainda tão panorâmicos assim. É que este termo aplica-se com maior propriedade aos écrãs cuja largura é muito maior do que a altura.

Parte do interesse das obras realizadas para écrãs panorâmicos reside na imagem larga com que captam os elementos cénicos. Podem ser as paisagens dos westerns, cenas de multidão ou de grupo, diálogos entre personagens. Seja o que for, as imagens assim compostas têm uma riqueza muito superior ao das pobres janelinhas que os clássicos televisores  TV nos ofereciam. Na verdade, muitos destes filmes são para se ver em cinema ou não se ver de todo.

Cinema é imagem animada. Se tem ou não narrativa é outra questão. Antes de mais nada há o respeito pela imagem e, tal como não lemos livros a cortar palavras, também não devemos ver cinema a sério com imagens cortadas. Ver cinema com imagens amputadas é não ver cinema. É outra coisa, na nossa opinião.

 Ora, o VHS apresenta esse problema: como colocar num ecrã 4:3 imagens pensadas para proporções diferentes? Amputando as imagens! Uma das soluções foi a de se fazer “pan and scan”. Este processo altera terrivelmente as imagens de um filme pensado para outras dimensões, não se limitando a cortar as imagens, mas também a criar movimentos que não existiam originalmente.

Veja-se o nosso post dedicado ao assunto.

Há muitos anos, ao vermos o filme “Barry Lyndon” do Stanley Kubrick em VHS, ao fim de alguns minutos tivemos de desligar porque o melhor do filme não se estava a ver e que era a composição da imagem. O filme tem uma história muito interessante (um arrivista, oportunista e cobarde que pretende fazer a sua ascensão social na Inglaterra dos finais do século XVIII) mas o mais importante era a forma como o realizador reproduzia as paisagens que os pintores ingleses da época tinham elaborado e que se tornou num género muito apreciado até hoje. Portanto, a composição das imagens, muito rigorosa como Kubrick sempre fez,  era tanto ou mais importante do que o resto. Passados quase 20 anos, vimos o filme em 16:9 e confirmámos a impressão que tivemos: a imagem era tudo e a história um pretexto. No verdadeiro cinema, com os melhores, a imagem vem sempre antes ou com a narrativa, nunca como acessório. Amputar a imagem é amesquinhar a obra.

O melhor mesmo era tê-lo visto numa sala de cinema a sério, mas isso será difícil de nos acontecer.

O mesmo se passa com a música: quantas vezes não dissemos que não gostavamos de determinado tipo de música mais complicado ou mais exigente? Mas basta mudar a audição para uma aparelhagem decente e não para aquelas coisas roufenhas que se vendem por aí por meia dúzia de tostões, para que as opiniões também mudem porque se passa a ouvir bem. As aparelhagens que utilizamos não devem empastelar o som porque deturpa a obra ouvida.

O mesmo se passa com o hábito de se ouvir música com auriculares. Para além dos problemas na audição que poderão vir a causar, também a qualidade não é famosa e o som vem muitas vezes “simplificado” e com pouca profundidade. Por isso, preferimos, na falta de umas boas colunas, um bom par de auscultadores (de qualidade).

Se arrancássemos capítulos a um livro de um autor importante, ou se fizéssemos versões simplificadas das obras, ou se mudásssemos as palavras nas frases, como seriam as reacções dos leitores? Porque é que o fazemos no som ou na imagem sem que isso nos cause tantos problemas? Será falta de exigência?

Por isso, o VHS, em vez de constituir um meio usado para educar, pode constituir, antes, uma forma de deseducar, porque vicia os espectadores a resignarem-se a ver cinema amputado (e pobre, em termos de leitura).

Ter esta noção também é literacia da informação: imagem é informação. Também se aprende a ver imagem e a ver imagem em movimento.

 Os que foram feitos para TV não constituem problema: foram pensados para aquele formato.

 Pergunta final: que fazer das colecções de VHS com filmes feitos para cinema? Deitar tudo fora e investir em formatos digitais que respeitem os formatos?

Seria uma ideia excelente não fora o facto de não termos dinheiro sequer para o básico quanto mais para luxos.

O ideal seria uma salinha com cadeiras confortáveis, um projector e um ecrã à antiga. Sabiam que a Mealhada, no Cine-Teatro Messias, teve, nos anos 50 ou 60, um dos primeiros ecrãs de 70 mm, muito antes do que Coimbra ou outras cidades em Portugal?

Com a instalação de projectores e ecrãs em todas as salas já é uma aproximação ao ideal, embora a falta de écrãs em algumas salas faça com que os ganhos se percam. Instalar um bom projector e poupar no écrã é como comprar um bom carro e não lhe aplicar pneus: o carro é bom mas não anda e é inútil.

Mas, apesar de tudo é muito melhor do que colocar uns televisores miseráveis na sala da biblioteca: aí não estamos a ver cinema mas umas obras amesquinhadas. Por isso é que não motivamos os alunos para a visualização de filmes na sala de leitura por ser impossível asegurar um mínimo de qualidade. Preferimos que os levem para casa onde, em geral, os leitores têm já melhores condições do que aquela que podemos oferecer.

Temos, por isso, de ter consciência de que ao converter filmes de VHS para DVD também passamos todos os defeitos e a consequente deseducação, sem melhorar nada.

Contudo, apesar de ternos essa consciência, não vamos deitar fora os quase 800 filmes que temos em VHS e iremos fazer a conversão para um sistema qualquer, ainda a pensar e a decidir.

Mas só o fazemos por não haver recursos (=dinheiro) para fazer de outra maneira, porque para os VHS que temos com cinema o que se deveria fazer era deitá-los ao lixo como se faz aos livros que vêm defeituosos.

Se vivêssemos num sistema perfeito, tudo seria substituído imediatamente por versões em formatos “amigos do cinema”. A realidade não é essa e não temos outro remédio que não seja aguentar.

Mas, é nosso dever chamar atenção dos “leitores” (de imagens animadas) de que o produto que vendemos não é muito “fresco” e, às vezes, até cheira mal! 

 

Pedro Miguel Semedo

Professor Bibliotecário

Pan and scan

A nossa biblioteca recebeu uma colecção interessante de filmes gravados em VHS e há quem apresente a necessidade de fazer uma conversão desse material para suporte digital. Sobre este assunto temos a dizer o seguinte:

Muitos professores e alunos aqui na Escola ainda confundem estas siglas todas e, pior, a natureza das tecnologias que estão por detrás de cada uma delas. O Video Home System (VHS) é um formato de gravação vídeo e audio dito analógico, tal como é o Betamax e muitos outros que entretanto foram esquecidos pela evolução tecnológica e pela guerra de mercados. A tecnologia do DVD, Blue Ray e outros muito menos famosos é digital.

Esta diferença tecnológica não resulta num pequeno pormenor, uma vez que a conversão do conteúdo de um para outro sistema encerra alguns problemas e mal-entendidos.

Pretender que a imagem melhore só porque se passa de VHS para DVD ou Blue-Ray (B-R) parece-nos um disparate, uma vez que o ganho é muito pouco, se houver. Apenas alguma estabilidade na imagem, mas mesmo assim duvidamos. A informação passa de um suporte para o outro, mas a qualidade que prevalece é o da tecnologia de origem e essa não melhora. Se a gravação for fraca ou se os aparelhos em que o fizermos já não estiverem em condições até piora.

O VHS, para além de ser analógico, tem uma imagem com uma resolução de imagem mais baixa do que a do DVD ou de qualquer outra tecnologia digital. Portanto, passa também os defeitos quando convertemos. Há possibilidades de melhorar a imagem com tecnologia e profissionais que se dedicam a restaurar masters de filmes, mas isso é outro patamar de desempenho.

Também a questão da longevidade do DVD relativamente ao VHS no que respeita à conservação do material gravado em ambiente doméstico é questionável. Dos contactos que temos mantido com especialistas na matéria, retivemos a ideia de que é falsa a sensação de segurança que existe entre muita gente quanto à segurança do armazenamento dos dados em CD-R (ou +R, ou –RW) ou em DVD-R. Resumidamente, disseram-nos que a longevidade de um CD ou de um DVD gravado em casa ou na biblioteca (a tecnologia é exactamente igual) não é assim tão grande e, em certos casos, perde-se até muito rapidamente a informação. Depende de certos factores que não controlamos.

Aconselharam a guardar a informação em disco duro externo, cujo custo se tornou muito baixo, tendo em conta a memória que oferece. Além disso, deve-se guardá-lo bem, longe de más vizinhanças electrostáticas e ao abrigo de outras más influências. Dizem-nos que a probabilidade de se perder informação digital é muito elevada, mesmo em sistemas protegidos. Não é por acaso que num ataque militar de um país contra outro, a primeira coisa que hoje se faz é um ataque electrónico para destruir todos os circuitos electrónicos.

Já nos aconteceu perdermos informação em CD e DVD que gravámos e testámos devidamente. Aparentemente estava tudo bem, foram guardados juntamente com outros e passados poucos meses estavam sem vestígios do material. Alguns desses especialistas até me dizem que muitas cassetes VHS irão sobreviver à maioria dos CD e DVD…

Já os DVD gravados pelas editoras e comprados nas lojas, responderam-nos que esses levam um “banho” de um produto químico, posteriormente à gravação, e ficam mais protegidos (por uns 30 anos… acrescentaram… com sorte).

Portanto, o melhor será comprar um disco duro externo, converter para lá os filmes VHS e depois, à medida que os “clientes” pedissem, gravávamos em DVD uma cópia. Ficávamos com três cópias: o VHS, o do disco duro e o do DVD.

Outra questão, para nós a mais importante, prende-se com o formato do ecrã. Tanto o formato VHS como o Betamax foram suportes concebidos para material de Televisão (documentários, séries, etc.). Estes filmes para TV são feitos para um ecrã com uma relação largura x altura 4:3 e para todo o material produzido desde o início para TV já foi feito desde logo naquele formato e não há grande problema.

Ora, a maior parte do cinema não foi feito para ecrãs dessa proporção do ecrã. Como muitos saberão mas outros não, essa relação, mesmo nos filmes mais rascas, é diferente. No mínimo será de 16:9 ou Widescreen, ou outros mais ainda complicados de enfiar no electrodoméstico chamado TV, como por exemplo o CinemaScope.

Por essa razão é que os televisores modernos passaram a adoptar o ecrã Panorâmico. Mas mmesmo assim, em alguns filmes surgem duas grossas barras pretas por cima e por baixo naqueles que exploram uma imagem larga, como é o caso dos “western”. Parte do interesse destas obras reside na imagem larga com que captam as paisagens. Na verdade, estes filmes são para se ver em cinema ou não se ver.

Cinema é imagem animada. Se tem ou não narrativa é outra questão. Antes de mais nada há o respeito pela imagem e, tal como não lemos livros a cortar palavras, também não devemos ver cinema a sério com imagens cortadas. Ver cinema com imagens amputadas é não ver cinema. É outra coisa, na nossa opinião.

Ora, o VHS tem esse problema: como colocar num ecrã 4:3 imagens pensadas para proporções diferentes? Amputando as imagens! Fazendo”pan and scan”. Este processo amputa terrivelmente as imagens de um filme pensado para outras dimensões.

Pan and scan

Já conhecemos este artigo com maior extensão e com elementos visuais mais explícitos. Para completar, convém aproveitar todos as hiperligações que o artigo fornece.

Ver também:

vídeo 1

vídeo 2

vídeo 3 (o mais interessante, com Scorcese e outros)

vídeo 4 (com Sydney Pollack)