Outros sistemas

Desde Aristóteles que se tenta organizar o conhecimento em classes (categorias). Desde então sucederam-se muitas tentativas de classificação, quer a nível do conhecimento em geral, quer a nível mais específico na ciência e nas técnicas documentais. Este artigo dá-nos uma visão geral do assunto, mas recomendamos o máximo de cuidado com o português usado, pode ferir de morte as almas mais desprevenidas.

Interessa-nos as classificações destinadas a bibliotecas:

Uma linguagem documental, artificial

Em comum, fornecem um sistema prático de organização dos documentos tendo por base o seu assunto ou tema e distinguem-se todos de outras linguagens por não se exprimirem numa linguagem natural mas antes num sistema de linguagem documental, por definição artificial ou convencional. Significa que a sua origem foi estabelecida por convenção, ou seja, por as suas regras terem sido concebidas por alguém antes do seu uso com o objectivo de normalizar a sua utilização, ao contrário da linguagem natural, cujo desenvolvimento ocorre pelo uso comum das pessoas e que é aquela que todos usamos no nosso dia-a-dia.

Os tesauros e as listas de autoridade também se exprimem em linguagem documental, porque os seus termos são controlados através de convenções, por isso também é uma linguagem artificial, mas exprimem-se em linguagem natural (linguagem com estrutura combinatória). Aparentemente, a linguagem utilizada é a que se utiliza  comummente, mas como é controlada, sujeita a regras para a escolha dos termos seleccionados e na organização das relações entre os termos, trata-se também de uma linguagem artificial, apropriada para utilização em tarefas documentais.

Podemos distinguir 3 tipos de sistemas de classificação para tratamento documental quanto ao seu grau de universalidade :
  • Sistemas universais: cobrem todos os assuntos; Classificação Decimal  Dewey (*),  Classificação Decimal Universal e a Classificação da Biblioteca do Congresso (*).
  • Sistemas especializados – tratam apenas de certos assuntos ou tipos específicos de materiais:
  • Sistemas nacionais: específicos para determinados países
    • Suécia – Sveriges Allmänna Biblioteksförening (SAB), em inglês; em sueco 🙂
    • China (CLC/CCL)
    • Taiwan, Hong-Kong e Macau (New Classification Scheme for Chinese Libraries), Japão (NDC) e Coreia (KDC). Estes sistemas são adaptações locais da Classificação Decimal  Dewey.
    • Rússia: o sistema BBK, Bibliotečno-Bibliografičeskaja Klassifikacija (ver), criada no tempo da União Soviética, baseia-se na CDU e pretendia substituí-la. Dava primazia ao tema Marxismo-Leninismo e discriminava 28 classes, cada uma associada a uma letra do alfabeto cirílico.
Em termos de funcionalidade, os sistemas de classificação distinguem-se em:
  • Enumerativos: os cabeçalhos dos temas são listados alfabeticamente correspondendo um número a cada um deles. Caso da Classificação da Biblioteca do Congress
  • Hierárquicos: os assuntos são divididos hierarquicamente, do mais geral para o mais específico.
  • Facetados ou analítico-sintéticos: através da análise, decompõe um determinado assunto e realiza em seguida a sínteses para elaboração de um índice. Caso da Classificação Colon.

Há poucos sistemas enumerativos e facetados, sendo que a maioria dos sistemas mais usados têm características mistas: são essencialmente alfabéticos com alguns elementos hierárquicos e facetados.

Os sistemas mais usados são:

Criado por Melvin Dewey, divide o conhecimento em 9 classes mais uma contendo as obras gerais, as publicações de forma especial, as bibliotecas e os museus. Cada classe é designada por um índice numérico que vai do 000 ao 999. Cada número representa um tema subordinado ao tema principal, pois é um assunto particular (ou mais específico) deste. Foi a primeira classificação bibliográfica e está na base da maior parte dos sistemas usados hoje, incluindo a CDU.

DEWEY1

  • Classificação da Biblioteca do Congresso (LCC – Library of Congress Classification) Utilizada desde 1904 pela Biblioteca do Congresso dos EUA, é semelhante à classificação expansiva de Cutter.   pdf_icon
  • Classificação Colon (CC – Colon classification)

    O único sistema verdadeiramente por facetas é o sistema concebido por S. R. Ranganathan e denominado por classificação Colon, em que os documentos são analisados segundo conceitos gerais (personalidade, energia, matéria, espaço e tempo, em inglês: personality, matter, energy space and time – PMEST). O termo colon designa o sinal de pontuação : (dois pontos) usado neste sistema para estabelecer uma relação e que em inglês se designa por colon. A partir dos tais 5 conceitos gerais, geram-se combinações que permitem criar 42 classes gerais que combinam letras, algarismos e sinais. É muito usado na Índia.

Outros sistemas com características de sistema facetado.

CDU_schema_Otlet