Terror e miséria do Terceiro Reich

terror

Terror e Miséria do Terceiro Reich

de Bertolt Brecht

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o 10º, 11º e 12º anos de escolaridade, destinado a leitura autónoma.

Bertolt Brecht nasceu em 1898 na cidade de Augsburg. Estudou medicina em Munique mas cedo se começou a dedicar ao teatro, primeiro enquanto crítico e depois como dramaturgo. Em 1922 assiste à primeira estreia de uma peça sua. Em 1933, com a ascensão do partido Nazi, Brecht vê-se obrigado a fugir primeiro para a Suíça, depois para a Dinamarca, Suécia, Finlândia e finalmente para os Estados Unidos, onde chega no ano de 1941. Em 1947, por supostas associações ao partido comunista, é obrigado a voltar de novo à Europa, estabelecendo-se em Berlim Leste a partir de 1948, onde funda a companhia Berliner Ensemble, responsável, a partir de então, por grande parte das encenações das suas peças, que marcaram de forma indelével a história do teatro do século XX. Brecht virá a morrer em 1956.

A rapariga que roubava livros – recomendado pelo PNL

MZ_A_Rapariga_Que_Roubava_Livros

A rapariga que roubava livros

de Markus Zusak

Presença

Plano Nacional de Leitura

  • Livro recomendado no programa de Português do 9º ano de escolaridade
  • leitura orientada na sala de aula – Grau de Dificuldade II

Sinopse

Críticas de imprensa

“Zusak não só cria uma história original e enfeitiçante, como escreve com poesia… Uma narrativa extraordinária.”
School Library Journal

“Uma narrativa absorvente e marcante.”
Washington Post

“Uma história poderosa.”
Booklist

“Brilhante… É um daqueles livros que podem mudar a nossa vida…”
New York Times

“Perturbador e poético ao mesmo tempo…Parece bem colocado para se tornar um clássico.”
USA Today

“Elegante, filosófico e comovente… Belo e importante.”
Kirkus Reviews

“Um feito… um livro que é um desafio…”
Publisher’s Weekly

“Inquietante, desafiante, triunfante e trágico… Um livro de grande fôlego, escrito de forma soberba… É impossível parar de o ler.”
Guardian

“Um livro extraordinário, marcante, de grande beleza.”
Sunday Telegraph

“Aos trinta anos, Zusak escreveu um dos livros australianos mais invulgares e cativantes de sempre.”
The Age (Austrália)

Um policial inglês (com chá…)

morte

Morte na Aldeia

Crime à Hora do Chá – Volume 1

de Caroline Graham

ASA

Sinopse
Badger’s Drift é a típica aldeia inglesa onde todos se conhecem e, aparentemente, nada acontece. Tem um vigário, um médico desastrado, umas quantas figuras excêntricas e uma solteirona amorosa, famosa pelas suas bolachas caseiras. Mas quando a velhinha morre subitamente, a sua melhor amiga não se conforma. Ela sabe que aquela morte não foi natural. O inspector-chefe Barnaby e o incansável sargento Troy não têm alternativa senão investigar. E o lado sombrio da pitoresca aldeia começa lentamente a ser revelado. Perante velhos ressentimentos e novas rivalidades, ódios intensos e paixões dissimuladas, Barnaby está cada vez mais alarmado. Infelizmente, um segundo e hediondo crime vai confirmar as suas piores suspeitas.Morte na Aldeia foi considerado um dos 100 Melhores Policiais de Sempre pela Crime Writers’ Association.

Opiniões:

Novidade: Tiago Rebelo

500_9789892323466_o_imperio_dos_homens_bons

Tiago Rebelo

O Império dos Homens Bons

ASA

Em 1847, na pequena vila de Inhambane, Moçambique, um punhado de famílias esquecidas pela coroa portuguesa luta heroicamente para impor uma nova civilização em território africano.
Acabado de se ordenar em Lisboa, o jovem padre Joaquim Santa Rita Montanha é enviado para Moçambique com a sagrada missão de prestar apoio espiritual aos europeus e evangelizar os indígenas. O seu sonho de realizar uma obra que fique para a história depara-se com dificuldades que parecem insuperáveis. Mas, apesar de todos os obstáculos, o padre Montanha nunca desiste dos seus objectivos ambiciosos e, em breve, torna-se o pilar desta pequena sociedade branca rodeada por milhares de guerreiros de tribos hostis.
Personagem complexa, o padre Montanha é um fervoroso homem de Deus que goza de invulgar prestígio mas não abdica de uma paixão arrebatada pela escrava Leonor, com quem vive um amor proibido. É, sobretudo, o explorador que não hesita em enfrentar perigos imensos para concretizar uma viagem aos holandeses no interior do sertão e, assim, inaugurar as relações diplomáticas entre o reino de Portugal e os fundadores da futura República Sul-Africana.
O padre Montanha é antepassado do autor. O Império dos Homens Bons é resultado de uma minuciosa pesquisa sobre a vida deste homem singular e a recriação histórica de uma época de grande romantismo em África. Trata-se de um retrato de época brilhante e de enorme talento.

Opinião