Economia para todos

Freakonomics

de Steven D. Levitt e Stephen J. Dubner

Os autores, um jornalista e outro economista, escreveram um grande êxito editorial cujo título foi Freakonomics. Gerou tamanho êxito que surgiram numerosos imitadores que tentaram e continuam a tentar a mesma fórmula: escrever livros divertidos e leves sobre coisas chatas e complicadas e, com isso, ganhar dinheiro, de preferência muito. Alguns conseguiram, outros não. Tanto em termos de rendimento como no estilo.

Baseando-se em estudos científicos disponíveis, procuravam dar uma visão ao público de determinados fenómenos da vida quotidiana através dos conhecimentos e métodos da economia.Por exemplo, que impacto tem o nome que os progenitores dão aos filhos ao longo da vida de um indivíduo. Ou uma provável relação entre a descriminalização do aborto e o decréscimo da taxa de criminalidade duas décadas depois. Ou porque é que o tráfico de droga não é, afinal, tão rendível para a maior parte dos traficantes como seria suposto pensar. Ou como a avalição de professores e de escolas é feito no sistema educativo americano e que efeitos tem.

Mais de quatro milhões de exemplares vendidos depois, em 35 línguas, os dois autores regressam com um novo livro que aborda questões tão insólitas como a prostituição ou o aquecimento global e revelam como as pessoas reagem aos incentivos. Também chegam a conclusões arrojadas, divertidas e, acima de tudo, surpreendentes.

 

Anúncios

Literatura portuguesa

Uma novidade:

Os íntimos

Inês Pedrosa

Crónica de Patrícia Reis.

 

Outros autores:

 

Enquanto Salazar dormia

Domingos Amaral

opinião

 

Café República

Álvaro Guerra

segundo o editor

 

O ano da morte de Ricardo Reis

José Saramago

 

“Ricardo Reis nasceu em 1887 (não me lembro do dia e do mês, mas tenho-os algures), no Porto, é médico e está presentemente no Brasil.”
Fernando Pessoa
“Ricardo Reis regressou a Portugal depois da morte de Fernando Pessoa.”
José Saramago
in O Ano da Morte de Ricardo Reis, Lisboa, 18ª ed., Editorial Caminho, 2009.

 

Segundo a opinião de alguns leitores, este foi o melhor livro que Saramago escreveu.


Informação:


Roberto Bolaño

 

A Literatura Nazi nas Américas

Roberto Bolaño

 

Segundo o editor:

A Literatura Nazi nas Américas é uma enciclopédia ficcional composta de pequenas biografias de autores pan-americanos imaginários. Estes personagens literários são retratados no interior de uma galeria de medíocres alienados, homens solitários e abandonados pela História, nascisistas, leitores e autores talentosos, criminosos, mas também snobes com sonhos de grandeza e capazes de gestos que os distinguem da banalidade do mal. E, a verdade, ainda que inventados, estes escritores são personagens de histórias, essas sim reais, de grandes nomes da literatura das Américas.

Segundo o blogue Pó dos livros.

 

O autor: Roberto Bolaño Ávalos (1953 — 2003), de nacionalidade chilena, é considerado por muitos críticos como o escritor mais importante de entre os autores latino-americanos de sua geração.

Há outros títulos do autor disponíveis na Biblioteca Municipal.

Wikipédia

Mais BD

O Santuário de Gondwana

da colecção As aventuras de Blake & Mortimer
Mortimer trouxe uma misteriosa rocha da sua expedição ao Pólo Sul e está agora na pista de uma civilização fantástica, cujo berço parece situar-se nas entranhas da cratera do Ngorongoro, não longe do lago Victória. É assim que começa uma fantástica aventura africana que, pela primeira vez, conduzirá os nossos dois heróis à África negra e ao Tanganyka (actuais Quénia e Tanzânia).
Com este regresso dos dois célebres “gentlemen” da banda desenhada, Yves Sente e Juillard assinam um “thriller” que surpreenderá e fascinará todos os fãs da mítica série Blake & Mortimer.
Uma opinião: Notas bedéfilas

Lucky Luke Contra Pinkerton

de Achdé, Pennac e Benacquist

 

A Menina de Bois-Caiman

2 vol.

François Bourgeon
Opiniões:
Central Comics livro 1 livro 2